A Rede

A Rede Latino-Americana de Pesquisas em Empresas Multinacionais (RedLat) é uma iniciativa criada em outubro de 2005, que reúne sindicatos e instituições de pesquisa sobre o mundo do trabalho de 7 países da América Latina, com o propósito comum de aprofundar o conhecimento acerca do comportamento social e trabalhista das empresas multinacionais e que utiliza as informações coletadas para impulsionar a ação sindical.

Seu principal objetivo é realizar pesquisas comparativas em multinacionais que atuam no continente quanto a a temas ligados aos direitos dos trabalhadores, meio ambiente e responsabilidade social, dentre outros assuntos de interesse do meio sindical e dos consumidores que se relacionam com as empresas.

As instituições que compõem a RedLat são: Centro de Investigaciones Laboral y Asesoria Sindical (CILAS) no México, Escuela Nacional Sindical (ENS) e Central Unitaria de Trabajadores (CUT) na Colômbia, Programa Laboral de Desarrollo (PLADES) no Peru, Instituto Cuesta Duarte (ICD) e Plenario Intersindical de Trabajadores – Convención Nacional de Trabajadores (PIT-CNT) no Uruguai, Centro de Estudios Nacionales de Desarrollo Alternativo (CENDA) e Central Unitaria de Trabajadores (CUT) no Chile, CEFS (Centro de Estudios y Formación Sindical), CIFRA (Centro de Investigación y Formación de la República Argentina) y FETIA-CTA (Federación de Trabajadores de la Industria de la Central de Trabajadores de la Argentina) na Argentina, Instituto Observatório Social (IOS) e Central Única dos Trabalhadores (CUT) no Brasil, e Confederação Sindical das Américas (CSA).

Atualmente, o Instituto Observatório Social é responsável pela Secretaria Operativa da Rede. A RedLat conta com o apoio fundamental da DGB Bildungswerk (DGBBW), entidade de formação e cooperação da Deutscher Gewerkschaftsbund (DGB), central sindical alemã.